top of page
  • Pedro Magrin Tannús

Nas profundezas da depressão

Atualizado: 18 de jan.

Chadwin G. Patrog


Desde a minha adolescência, lido com o peso implacável da depressão, uma sombra que lançou sua escuridão sobre o cenário da minha vida. O diagnóstico veio aos 25 anos, mas as raízes dessa luta interna já estavam silenciosamente se estabelecendo muito antes.


Nas profundezas dos episódios depressivos, me encontro submerso em um mar de desolação. É como se uma névoa densa se instalasse dentro de mim, diminuindo a vibração da vida. A motivação se torna um fantasma elusivo, e até as tarefas mais simples parecem montanhas intransponíveis.


O sono se torna um refúgio, mas não oferece consolo. Em vez disso, ele me arrasta para um abismo inquieto, deixando-me fatigado tanto no corpo quanto no espírito. O mundo perde suas cores, e a alegria evapora como água ao sol.


No entanto, há momentos em que o sol emerge brevemente de trás das nuvens. Manias, como as chamam. Nestes momentos, minha mente corre com ideias, e uma onda de energia percorre todo o meu ser. Torno-me um redemoinho de produtividade, capaz de feitos que, no meu estado depressivo, parecem estar a anos-luz de distância. A confiança atinge alturas sem precedentes, e a criatividade dança na vanguarda da minha consciência. Mas, como um sonho fugaz, essa euforia está destinada a dissipar-se.



Uma das ironias cruéis da depressão é sua capacidade de distorcer a percepção. Atividades que antes traziam alegria agora parecem vazias e desprovidas de significado. A decisão mais simples torna-se uma tarefa hercúlea, e um manto pesado de negatividade envolve cada pensamento. A autoestima desmorona, e os ecos de pensamentos autodepreciativos ressoam nas cavernas da minha mente.


Navegar pelas transições abruptas entre os picos da felicidade e os vales da tristeza é uma jornada árdua. Em questão de dias, ou até mesmo horas, o pêndulo oscila das profundezas da desesperança para as alturas vertiginosas da mania. Este carrossel emocional cobra seu preço nos relacionamentos pessoais, no trabalho e na frágil trama da minha vida diária. Os amigos lutam para compreender as mudanças de humor repentinas, e eu, por sua vez, me retiro para protegê-los da tempestade interior.


Terapia e medicamentos tornaram-se companheiros leais nessa jornada tumultuada. Através da terapia, aprendi a identificar os sinais precoces de mudanças de humor iminentes e a desenvolver estratégias de enfrentamento. A medicação atua como uma força estabilizadora, suavizando a intensidade dos episódios maníacos e encurtando a duração dos episódios depressivos.


Embora a batalha contra a depressão seja incessante, desvendei fragmentos de luz no meio da tempestade. Em momentos de clareza, descobri resiliência e uma capacidade aprimorada de empatia. A luta teceu uma tapeçaria de compreensão e compaixão pelos cenários emocionais dos outros.



Para aqueles que não trilharam o labirinto da depressão, é desafiador compreender os corredores labirínticos de desespero que eu navego diariamente. Imploro paciência e empatia porque, mesmo que minhas emoções pareçam enigmáticas ou incompreensíveis, elas são parte integrante da minha jornada com a depressão.


Nos momentos de desespero, peço para não ser visto apenas como alguém 'triste' ou 'desmotivado'. A escuridão que me envolve vai além da tristeza comum; é como uma nuvem densa que me envolve, afetando todas as áreas da minha vida. Por mais que eu tente me libertar dessa tristeza, muitas vezes me sinto aprisionado, sem esperança e lutando para encontrar significado nas coisas.


Entender que essas oscilações de humor são causadas por uma condição médica e não uma escolha consciente é crucial. A depressão não é algo que eu possa simplesmente 'superar' ou controlar com força de vontade. É uma condição complexa que requer supervisão médica contínua e o apoio de amigos e familiares.


Além disso, é fundamental reconhecer que nem todo dia será igual. Posso passar por períodos de estabilidade, nos quais meu humor permanece relativamente equilibrado. Mas também posso enfrentar episódios mistos, nos quais experimento sintomas de mania e depressão simultaneamente, o que pode ser extremamente confuso e exaustivo.


A jornada com a depressão é desafiadora, mas há também esperança. Com o tratamento adequado, terapia regular e um sistema de apoio forte, posso aprender a gerenciar melhor minhas emoções, identificar gatilhos e adotar estratégias saudáveis para lidar com os altos e baixos.


Portanto, peço para não ser julgado apenas pelos rótulos associados à depressão. Sou muito mais do que esta condição. Sou uma pessoa com sonhos, paixões e habilidades. Sei que minha jornada pode ser complicada e imprevisível, mas com compreensão e apoio, posso alcançar estabilidade emocional e uma vida significativa.

* O relato apresentado acima foi criado de forma fictícia com base em informações reais disponíveis sobre o Transtorno Depressimo Maior, comumente chamado de depressão. Ele não se baseia em nenhuma experiência pessoal específica e não viola o sigilo profissional entre paciente e profissional. Entenda mais no artigo abaixo.



Transtorno Depressivo - Características e Tratamento


O transtorno depressivo, comumente conhecido como depressão, é uma condição de saúde mental que impacta profundamente o humor, o funcionamento diário e a qualidade de vida de uma pessoa.


Neste artigo, vamos explorar as causas e sintomas do transtorno depressivo, além de discutir os benefícios da psicoterapia cognitiva online como uma opção de tratamento eficaz.


Descrição e Sintomas


A depressão é caracterizada por uma persistente sensação de tristeza, desesperança e falta de interesse ou prazer em atividades antes consideradas agradáveis. Os sintomas podem variar, mas frequentemente incluem:


  • Humor deprimido persistente

  • Perda de interesse em atividades cotidianas

  • Fadiga ou diminuição de energia

  • Dificuldade em concentrar-se ou tomar decisões

  • Sentimentos de inutilidade ou culpa

  • Pensamentos de morte ou suicídio

A intensidade e duração desses sintomas podem variar, mas quando persistentes e graves, caracterizam um episódio depressivo.


Causas e Fatores de Risco


As causas da depressão são complexas e podem envolver uma combinação de fatores genéticos, biológicos, ambientais e psicológicos. Alguns fatores de risco incluem:


  • Histórico familiar de depressão

  • Eventos estressantes na vida

  • Doenças físicas ou condições médicas crônicas

  • Desequilíbrios químicos no cérebro


É importante notar que a depressão pode afetar qualquer pessoa, independentemente de idade, sexo ou origem étnica.


Benefícios da Terapia Cognitivo Comportamental Online


O tratamento da depressão geralmente envolve uma abordagem multifacetada, incluindo psicoterapia, medicação e suporte social. A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma forma eficaz de psicoterapia no tratamento da depressão. A TCC online oferece benefícios práticos, tais como:


  • Flexibilidade no agendamento de sessões

  • Maior acessibilidade para pessoas com barreiras de transporte ou limitações físicas

  • Redução do estigma associado à busca de tratamento

  • Facilidade de engajamento na terapia devido ao conforto com a tecnologia

"A TCC ensina estratégias para desafiar e modificar padrões de pensamento negativos, promovendo uma visão mais equilibrada e saudável da vida." - APA (American Psychological Association)

Conclusão


O transtorno depressivo é uma condição desafiadora que pode afetar qualquer pessoa em diferentes estágios da vida. No entanto, com tratamento adequado, incluindo terapia cognitivo-comportamental, indivíduos podem aprender a gerenciar seus sintomas e recuperar uma qualidade de vida satisfatória.


A psicoterapia online, especialmente a TCC, oferece uma opção conveniente e eficaz para aqueles que buscam apoio para superar a depressão. Se você ou alguém que você conhece está enfrentando sintomas depressivos, é crucial procurar ajuda profissional de um provedor qualificado de saúde mental.



Leia mais


Cuijpers, P., Berking, M., Andersson, G., Quigley, L., Kleiboer, A., & Dobson, K. S. (2013). A meta-analysis of cognitive-behavioural therapy for adult depression, alone and in comparison with other treatments. Canadian Journal of Psychiatry, 58(7), 376–385.


American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Washington, DC: Author.


National Institute of Mental Health. (2021). Depression. Retrieved from https://www.nimh.nih.gov/health/topics/depression/index.shtml.







4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Logo do WhatsApp
bottom of page